Minhas Páginas ;

domingo, 25 de dezembro de 2011

MERRY CHRISTMAS

EU Vivy desejo a todos o meus bebês(leitores) um maravilhoso e abençoado natal.

Uma foto minha e uma do casal mais lindo mundoo.que nós amamos #FATO


Feliz Natal meus leitores que eu amo de mais.Que DEUS continue iluminando o caminho de todos vocês.Viva Jesus Feliz natal,que Deus em sua infinita bondade,encha o nosso coração nao apenas na noite de natal mais toda nossa Vida.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

[WEB] Armadilhas do Destino. Parte 69

[POV]ROBERTA
Roberta sentira seu corpo todo dolorido ao abrir os olhos. Estava em um quarto de hospital, vestida em uma camisola. Olhou para os lados e viu Diego dormindo em uma poltrona. Sentou-se com dificuldade e passou as mãos pelo rosto. Ouviu um som vindo do outro lado do quarto, um som que aqueceu seu coração e fez seus olhos marejarem. Seus olhos brilharam ao ver as pequenas mãozinhas balançando-se para cima, dentro do pequeno berço branco.  

Levantou-se em silencio apoiando-se nas coisas e chegou finalmente até o bercinho. Pele branquinha, bochechas rosadas, olhos já abertos e espertos... Em um tom de mel como os dela. A pequena era cabeluda, fios finos de um castanho claro. Estava vestida em um macacão rosa com alguns ursinhos brancos.Já o menino dormia feito um anjinho, menino se parecia bastante com rodrigo que acada dia que passava ficava mais parecido com Diego.   
  
- Olá minha linda, seja bem vinda. – ela disse pegando a mãozinha da menina, ela resmungou enquanto continuava a sacudir os bracinhos. Roberta a pegou nos braços, firmemente. Voltou para a cama e a aninhou em seus braços. Logo a pequena procurava por seus seios, sentindo o cheiro do leite materno.  
- Ah, você está com fome... – Um pouco atrapalhada, Roberta tirou um seio da camisola e colocou a pequena ali. – Ah, você estava com fome, e eu dormindo, desculpe.  
Diego abriu os olhos lentamente e viu Roberta amamentando a filha. Ela viu que ele a olhava e olhou de volta sorrindo.

Roberta estava dormindo novamente, agora com o bebê nos braços. Diego aproximou-se dela e pegou a menina para colocar de volta no berço. Quando a tirou dos braços de Roberta, ela acordou com os olhos alertas, uma expressão assustada.  
- O que foi, Ro? – seu rosto relaxou ao ver Diego.  
- Desculpe. Passei a noite toda achando que aquele maluco viria atrás de nós.mais ele já morreu, foi só um susto mesmo. – ela parou suspirando aliviada. – o nosso outro bebê ainda não Acor....-quando roberta ia terminar de falar o garoto deu choro fino que fez roberta rir por que ja tinha perguntado.

-Rsrsrsrs,di pega ele para mim e coloca ela lá por favor.
-Claro meu amor.Diego levou a bebê e trouxe o outro e então a mesma ena se repitiu da primeira.- Olá minha lindo, seja bem vindo. – ela disse pegando a mãozinha do menino,  aninhou em seus braços. Logo o pequeno  procurava por seus seios, sentindo o cheiro do leite materno.  
- Ah, você está com fome... – Roberta tirou um seio da camisola e colocou o pequeno ali. – Ah, você estava com fome,igual a sua irmã aquela gulosinha.  
-Amor?-diego falou
-Oi,Meu Medico mais lindo.
-kkkkk,para disso Ro eu só não desmaie na hora por que você não tinha como fazer esse parto sozinha.
-kkkkkk,mais diz o que você queria falar.
-ok.você ja pensou em alguns  nomes para os bebês?
-Já.mais vamos escolher juntos eu e você, digo e você diz se gosta,você diz e eu digo se gosto ok?
-Ok.Você primeiro,pois eu não achei nenhum nome que combinaçe , por que vai ser dois nomes né igual o da Rafa que é Rafaella Eduarda e o do Rodrigo que é João Rodrigo né?
-Sim,sim. eu já pensei.
-Diz.
-o Que acha para a menina Lua Victhórya ?
-Lindo. combinação petrfeita
-Então ta descidido Lua Victhórya.e o  menino?
-Aaaaa posso?esse vai combinar.
-Claro amor você também é pai deles lembra.
-Claro kkk.o que acha de Arthur Victor?
-Lindo.ta descidido Arthur Victor.
-Agora me dá um beijo,por que estou com sono quero dormi e o Arthur já dormiu olha que coisa mais fofa,a cara do pai lindo,lindo,lindo.

Então diego a beijou,levou arthur para o berço e deitou na poutrona do lado.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

[WEB] Armadilhas do Destino. Parte 68

Diego esperou que a ligação fosse passada a outra pessoa. Uma voz feminina finalmente o atendeu do outro lado da linha.  
-Olá senhor, vou dar-lhe as instruções. Tente me acompanhar. Onde está sua esposa?– ele ignorou qualquer formalidade, sem importar-se com o que a enfermeira dissera.  
- Está deitada na cama.  
-OK. O senhor precisa colocar os dedos para ver se a cabeça do bebê já desceu.– Diego ficou parado por um momento. Olhou mais uma vez para Roberta sofrendo, não haveria outro jeito.  
- Ro, você vai me odiar mas eu preciso fazer isso, ja fiz isso varias vezes mais foi por outro motivos se é que entende 66' – ela arregalou os olhos enquanto o sentia retirar sua calcinha e gritou.  
- E-eu acho que já! – ele gaguejou ao telefone tentando ser forte o bastante para não desmaiar ali mesmo.  
Você precisa pedir para que ela faça força para baixo.– ele repetiu as palavras a Roberta. –Diga para que ela apoie o queixo no peito para facilitar. Fique de olho enquanto o bebê desce. Enquanto ela faz força, preciso que pegue qualquer coisa parecida com um sugador.

Diego lembrou-se das coisas que Roberta havia comprado para os bebês, entre eles um sugador para puxar a sujeira do nariz, aquilo deveria servir. Correu até o quarto dos bebês e o pegou.  
  
-Agora– a enfermeira continuou –fique de olho enquanto o bebê desce. Quando a cabeça estiver para fora, peça para que ela pare de fazer força e sugue a boca do bebê para que ele não se engasgue com o líquido. E então peça para que ela faça um esforço menor para que o corpo saia e a ajude.  
Diego fazia tudo o que a enfermeira pedia e repassava para Roberta. O celular foi parar no chão ao ver a cabeça no bebê saindo. Os pequenos fios de cabelo já apareciam.  
- Está vindo, Ro. Continue fazendo força! – ele dizia apoiado na cama, pronto para receber o bebê.  
  
- AH! EU NÃO CONSIGO! – Ela choramingava.  

- Consegue sim, meu anjo, continue, falta pouco agora! – ela continuou até que a cabeça finalmente havia saído. Diego fez o que a enfermeira pedira, sugando a boquinha do bebê, até que saíra por completo. Diego puxou o lençol e o envolveu ali enquanto o ouvia chorar.
-Enfermeira?
-Oi senhor
-é que não lhe avisei mais são gemeos.
-Gemeos?o outro ja está vindo?
-Acho que sim ela continua sentindo as contrações.
-então coloque o dedo na vagina dela e veja se o outro ja está na passagem igual como fez com o primeiro. 
-Ok.-falou para enfermeira.
-Ro. terei que fazer isso dinovo.
-Enfermeira,acho que sim então faça tudo que fez com o outro e ja estamos chegando na sua casa.
-Ok.
- O cordão?
-Tem alguma tezoura ai?
-Sim,sim.
-Então corte uns 20 centimetros do umbigo do bebê.
-ok.ele cortou e entregou a Roberta o menino. 
Roberta chorava e não acreditava que tudo aquilo que estava acontecendo era.. magico.. fantastico.. fabuloso... então sentiu que a menina estava nascendo então gritou e colocou o bebê do seu lado.
- AH! diego me ajudaa ahh doi muito aaah! – Ela choramingava.
- meu anjo, continue, falta pouco agora! – ela continuou até que a cabeça finalmente havia saído então diego puxou o bebê e sugou com o sugador todo o liquido e por fim os paramédicos chegaram.

[WEB] Armadilhas do Destino. Parte 67

-O bebê, Dii... Os bebês estão nascendo!– sua voz estava tremula.  
- CALMA! VOU TE TIRAR DAÍ!  
-Como amor eles estão nascendo o hospital mais proximo é daqui a vinte minuto.

 - Calma, Ro. Respira, eu vou te tirar daí. – ele dizia enquanto tentava pegar do bolso com a mão tremula
- Rápido...Rápido Di! liiga.. pa..ra a am..bu..lan..çia – ela respirava ofegante. 
- N-não! Não dá mais tempo. – ela disse entre os soluços.   
- Vai sim. – a pegou nos braços e a levou para o quarto deles que por sinal ele tinha acabado de arrumar.
- NÃO DI, NÃO VAI DAR! – Diego correu com ela até seu quarto e a colocou sobre a cama.Roberta fazia esforço para respirar, lembrando-se de tudo que lera em alguns livros  quando engravidara de Rodrigo.
- Ro, eu vou pegar o celular para  ligar para uma ambulância... Não sai daqui!  
- Eu pareço estar em estado de sair andando por aí?! – ela berrou. Ele sorriu e beijou o topo de sua cabeça. Pegou o telefone e discou o numero da ambulância. Os paramédicos iriam até lá o mais rápido possível.  
- DII! NÃO DÁ MAIS TEMPO!
Os gritos de Roberta ecoavam pela casa. Diego andava de um lado para o outro pensando no que fazer, Céus! Como faria um parto? Tudo o que sabia sobre isso era o que havia visto em alguns programas de partos no Discovery Home and Health .
- Ok. Vou pegar alguns lençóis limpos e você... Você... Continua respirando! – Roberta revirou os olhos e o viu correr até a área de serviço. Ela respirava rápido enquanto sentia o suor escorrer pela testa. Diego subiu com os lençóis e os colocou sobre as pernas de Roberta que já estavam na posição certa.  
- Eu não vou conseguir, Ro.  
- Vai sim. Eu confio em você. – Ele pegou o telefone mais uma vez e ligou para o hospital. Explicou o que estava acontecendo desesperado. 
-Acalme-se, senhor. Vou passar para uma enfermeira que lhe dará todas as instruções até que a equipe médica chegue até sua casa.    

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

[WEB] Armadilhas do Destino - Parte 66

-Pois bem.Vocês teram Gemeos!
-O Que ?gemeos doutor tem certaza?-roberta perguntou quase pulando em cima da maca.
-Gemeos quer dizer que agora eu terei quatro filhos?
-Sim,sim.uma menino e um menino.
-Ai meus eu sou o homem mais feliz do mundo.disse isso enquanto roberta se levantava da maca ele a pegou no colo e a girou no ar beijando seu pescoço e tendo cuidado para não machucar sua barriga que estava grande.
assim ele foram para casa e contaram a rafa e rodrigo que eram gemeos, ai que as expectativas dos meninos aumentaram.
passaram se mais 7 meses e Diego não aguentava mais de tanata ansiedade para ver seus bebês, e roberta queria se ver livre daquele barrigão que parecia que tinha comido um boi e 2 melancia.então gritou :

-Diego minha bolsa estorou.falou olhando para o chão.mais nada de diego responder então gritou novamente.
-Diego minha bolsa estorou..mais nada de diego responder então grito.

então roberta caio em desespero e não aguenta viu que se bebê ja estava para nascer.ja tava sentindo então diego chegou em casa.
-Roberta meu amor tenho....-quando diego viu roberta la sagrando e o bebê quase nascendo se desesperou pois o hospital mais perto era aqui uns 20min. de onde eles moravam...

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

[WEB] Armadilhas do Destino. Parte 65

-Amor?-disse roberta
-Oi?-disse diego
-Vamos descer? A Alice vai ja trazer o rodrigo e vamos chamar a rafa para jantar ai agente conta que eles vão tem um irmãozinho(a).
-Ok.vamos mais antes toma banho comigo?
-Claro meu amor.
Eles tomaram banho e desceram, a alice veio deixar o rodrigo e a rafa ja tinha chegado. eles jantaram, e contararam para os filhos que eles ganhariam um irmãozinho ou uma irmãzinha, eles ficaram super felizes.

Passaram 2 meses e roberta iria saber se eles teriam uma menininha ou um menininho.mais o que vocês não sabem é que roberta desconfiava que eram gemeos pois sua barriga de três meses pareciam 5 meses mais não disse nada a ninguem queria surpresa.Diego também achava que era dois mais teria medo da reação de roberta quando ele falasse.
Na Clinica:
-E ai Papai e Mamãe querem descobrir o que tem dentro desse Barrigão?
-Sim.-Sim.Falaram juntos e gargalharam.
-OK. vamos lá.
O Médico começou a ultrasonografia e disse:
-Vocês querem menino ou menina?
-Menino.disse roberta.
-Menina disse diego.
-Não.vai ser menino.disse roberta
-Não.vai ser menina.disse diego
-Não.vai ser menino.disse roberta
-Não.vai ser menina.disse diego
-Calma não precisam descutir vocês vão ficar feliz com o resultado!
-Como doutor se eu Quero menino e ele menina.disse roberta ja ficando irritada.
-Mais vão ficar feliz com o resultado.
-Como?

O que será que o Doutor quer dizer (Feliz com o resultado)?

continuaa....

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

[WEB] Armadilhas do Destino. Parte 64

Depois que estávamos completamentes nus. ficou por cima de mim,ele estava um pouco pesado.
   Ele pegu seu membro na mão e encostou sóa cabeçinha na minha intimidade, o que me deixou meio aflita, pos queria ele todo dentro de mim,mas me controlei e fiquei parada,logo Diego enfiou a metade de seu membro em mim , voltou e enfiou novamente , e repetiu algumas vezes sempre devagar, enquanto Diego metia , ele me beijava , assim abafando meu gemidos, Diego então enfiou todoseu pênis em mim , ai eu gemi alto,e Diego não ficou atrás,ele tbm gemeu um pouquinho alto, um tempinho depois Diego aumentou a velocidade , enfiando bem rápido,fazendo eu prender minhas pernas em volta de sua cintura, Diego começou a meter em uma velocidade frenética e nós começamos a gemer muito alto. ele metia forte e as vezes violento o que me fazia ficar em puro extase , a cada pentada eu pedia por mais ... e mais...e mais até que eu gozei, e ele me acompanhou.


- Foi incrível! - falei boba e satisfeita!
- Também acho - me deu um selinho 


(Creditos para CARINE FLORES minhaa ECP que eu amooo)

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

[WEB] Armadilhas do Destino. Parte 63

-Diego?-roberta gritou com um enorme sorriso
-O que foi?,você ta bem?.disse diego preocupado
-Entra aqui.
-ok.
Diego entrou e se assustou.
-Roberta que isso ?
-Todos 5 positivo.
-ai meu DEUS que tudo.diego disse rodando roberta no AR e a beijando e beijo eles tacaram no box do banheiro e riram foram para o quarto e se beijando foram caindo na cama tirando ambos a roupa do outro .
 POV DIEGO.

      Percebi que eu estava de pau duro,o que é normal com a Roberta por perto 66)' , ela me olhou e mordeu o lábio , e eu parti pra cima dela, beijando seu pescoço, logo me empolguei e dei um chupão que delícia, ela gemia,eu tirei a minha mão que estava nas costas dela e coloquei na intimidade dela, continuei beijando o pescoço dela enquanto enfiava um dedo nela,bem rápido,eu enfiava e rodava ele lá dentro, sentindo o mel dela no meu dedo, ela tava gemendo alto, mas eu não quero só isso, e  enfiei mais um dedo nela , enfiava e rodava eles la dentro , só que agora bemdevagarinho, seu mel estava escorrendo pelos meus dedos.

- Diego mete em mim...
- Agora não... - falou ele quando tirou a mão dele de mim e voltou a enfiar só dois delos,ele enfianva e girava.
- Por favor...eu quero você..- ele parou com o que estava fazendo eme olhou nos olhos, e eu olhei para ele tbm...
- Vc me quer? - disse ele com um sorriso .
- Sempre! - afirmei.
- Promete?
- O que?
- Que sempre vai me querer! Só á mim , e mais...ninguém! Promete?
- Prometo! 

    Não entendi muito mais amei tudo isso !Diego abriu o sorriso mais lindo que esxiste no mundo , um sorriso tão lindo que me fez sorrir tbm! Diego se aproximou lentamente de mim e me beijou! Não foi um beijo comum, foi o melhor beijo , nossa linguas estavam em perfeita sincronia e com muita itensidade , no meio do beijo Diego desabotoou meu vestido atrás e o tirou , terminamos o beijo com um selinho demorado , e depois eu fuitirar a calça dele , seu membro estava pulsante e mais duro que o normal, tive uma certa dificuldade mas consegui tirá-la , logodepois eu tirei sua blusa ! E logo eu e Diego estávamos só de peças íntimas,aspeças que nós tratamos de tirar rapidinho.



(créditos para :CARINE FLORES minha ECP que eu amooo)

[WEB] Armadilhas do Destino. Parte 62

-Será?
-Sua mestruação?
-Era para ter vindo já!
-E agora roberta o que tem que fazer ?-disse diego nervoso
-Vamos na farmacia?
-Vamos vou pegar as chaves do carro na cozinha vai na frente amor-disse diego.
-Ok.deu um selinho em diego e saiu.
Diego pegou as chaves e roberta estava no carro na garagem ele entrou no carro e foram para farmaçia,pois rodrigo estava com a alice e pedro e a Rafa na visinha amiga dela.No carro diego não parava de falar em filho que queria mais um que ele era o homem mais feliz do mundo,que a roberta era perfeita eles param na farmaçia e disse:
-Moço quero 5 teste de gravides.
-5 moça?
-é 5.
-ok.
-quanto ?
-55,00R$
-Tai ,obg!
roberta pagou e entro no carro.
-Pronto tai 5 teste.
-pra que tudo isso roberta
-Hora bolas para ter certeza Diego!
-Ok vamos.
No Caminho novamente diego só falava no filho que ia da positivo e que agente ia ser uma familia mais que completa perfeita nesse bla bla bla chegaram e casa e roberta correu pro banheiro.
-Diego esse teste é feito com xixi certo?
-Certo e ?
-Dai que eu não tô com vontade de fazer xixi nesse momento
-Vou lá dentro pegar agua ok?
-ok
Diego volto com duas garrafa de agua.
-Eita para que tudo isso ?
-Hora para você fazer bem muito.
-é trouxe muito teste.
-Pois é .
Roberta tomou e ficaram (conversando(quasesecomendo)kkkkkk.)
-Diego....vontade...xixi...agora me da o teste.
-Pega. roberta pegou e entrou no banheiro
passaram uns 10min. e....
 Positivo ou negativo?

Continuaa...

[WEB] Armadilhas do Destino. Parte 61

_Irmão? eu tenho um irmão, ai que maximo.disse rafa pulando em cima do Diego e o Beijando.
-Papai te amo.rafa saio do colo de diego pulando e gritando(Eutenhoumirmãohahahaha).
-Pai a mãe roberta me tratou tão bem,como se fosse filha dela,nunca a mãe pilar me tratou assim.
-que bom princesa agora vai lá embaixo diz a ela que quero falar com ela ok?
-ok beijos.-saio rafa pulando.
Chegando na sala Rafa pulou em cima da roberta dando um beijo em sua buchecha.
-Mãe o pai ta chamando a senhora lá em cima!
-Ok filhota linda.disse roberta dando um beijo na buchecha de rafa e subindo.
-Oi amor.disse roberta abrindo a porta do quarto
-Oi Minha vida senta aqui.
-Diga principe!
-Obrigado,mais obrigado mesmo.
-Pelo o que Diego?
-Por tratar a minha filha tão bem.
-Nossa filha vc quer dizer né? E Não a de que não fiz mais que minha obrigação amo a Rafa do mesmo Jeito que Amo O Rodrigo.
-Obrigado Flor.Eu Te Amo muito muito muito que nem sei explicar.
-Faço minhas as suas palavras.
-Nunca pensei que depois de tanto tempo a gente se reecontraria
-Tbm não,mais dizem que se é de verdade o amor é para sempre, sempre se encontram custe o que custar.
Nisso eles iniciaram um beijo e roberta parou e correu para o banheiro da suite.roberta vomitou
-Roberta meu amor você esta bem?
-Só um pouco enjoada
-Enjoada?
-É.
-Acho que a Rafa e Rodrigo vão ter mais um irmãozinho(a).

Será que roberta tá GRAVIDA?

continuaa....

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

[WEB] Armadilhas do Destino - Parte 60

-Elá tem tudo a ver com o Binho ou você não sabe que ela era apaixonada por ele desde o tempo de colégio?-disse roberta assustada pois não sabia que diego não sabia disso.
-não.claro que não.
-Pois bem o que aconteceu com a pilar?
-Ela se matou.
-Como,quando,aonde?-disse diego nervoso caindo umas lagrimas em sua face.
-Queimada,semana passada,na sua casa.Agora me diz por que você está chorando você gostava ainda dela, você a Amava me diz Diego não me faça sofrer diga se a você a amava por que não me disse por que me iludio?-falava roberta chorando e tentando bater em Diego que a segurava pelo puso e tentava explicar.
-Calma me amor, eu estou chorando pela minha filha como ela num deve está se sentindo, eu só amo você mais que ontem e menos que amanhã,só você,minha vida,meu tudo,daria tudo só por você a Rafa e MEU FILHOOOOOOOOOOO.-disse diego gritando na parte do MEU FILHOOOOOOOOOOO fazendo roberta soltar lagrimas e abraçando diego e falando que ja estava tudo bem que tinha cuidado da Rafa e que agora ele precisava falar com ela e ele concordou e pediu que ela a chama-se.minutos depois Rafa chega chorando no quarto agarrando diego.
-E Agora pai agora eu estou sem a Mãe Pilar,Só tenho você e a Mãe Roberta.
-Mãe Roberta?
-Sim, esses dias ela me tratou como uma filha cuidou de mim melhor do que a Mãe pilar.
-Ai que bom minha filha que você se deu bem com a Roberta, espero que se Dê bem com seu irmão Rodrigo.
-Irmão.-perguntou Rafa confusa
-Sim rodrigo é seu irmão eu sou o pai dele e roberta a mãe dele e sua.-disse diego orgulhoso daquela situação.

Como Rafa vai agir diante dessa situação?

Continuaa....

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

[WEB] Armadilhas do Destino - Parte 59

Ao chegar em casa Diego não entende o por que de Rafa está lá, mais fica feliz por ver sua filha e diz:
-Rafa meu AMOR-diego disse abrindo os braços.
-Paiii-rafa veio chorando então diego se assustou
-O que foi princesa?-
-O Senhor não sabe?-então roberta se entrometeu na conversa.
-Rafa deixa que eu falo com seu pai isso tem que ser dito com calma por que ele ainda está se recuperando.-
-Me diga Roberta-disse Diego nervoso.
-Vamos para o Quarto!
-Vamos.
Ao chegar no quarto Diego fala:
-Me diga, meu amor estou ficando aflito.
-É que estamos de PAZ por que ninguem vai poder mais nos atrapalhar.
-Hahaha você não conhece a pilar ela nunca vai nos deixar em paz.
-Já deixou Diego!
-Ela pode até ter dito mais não se confia em cobra ela fica lá queta só esperando para dá o Bote.
-Certo vou ter que te explicar.
-Ok me conte por que não estou entendendo.
-Lembra do Dia da Cabana Que o Psicopata me sequestrou?
-Sim claro o que isso tem a Ver ?
-Ele morreu!
-Como?
-Ele morreu com aquele tiro!
-Estou livre para você Meu AMOOOR-Roberta pulou nos braços de Diego Caindo na cama e cairam na gargalhada.
-Roberta isso é Sério você está rindo ele é o pai do seu filho como a Criança vai se sentir?
-Muito bem, por que o pai dele está vivinho da SILVA.
-Em?
-Além de mim, você traio o Binho com outro-Disse diego saindo da cama com raiva.
-Claro que não, o Rodrigo é Seu filho!-Disse roberta com um enorme sorriso no rosto.
-Meu Filho sério?Quer dizer que eu tenho um garotão?me filho roberta você tem certeza?bem que eu desconfiava ele é muito parecido comigo, como eu estou feliz me amor.-Disse diego indo abraçar roberta que riu com as perguntas descontroladas de Diego.
-Calma meu amor.eleé seu filho sim,nosso filho,nosso campeão,nosso garotão e tenho certeza que ele é seu filho.-disse roberta tentando responder as perguntas de Deigo.
-Depois eu te explico essa História vamos volta a Outra a Nossa PAZ.
-Sim vamos, o que a pilar tem a ver com o Binho?

O que será que aconteceu com pilar?

Continuaa...

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

[WEB] Armadilhas do Destino - Parte 58

POV-ROBERTA
Quando sentir aquela voz tremir,até os cabelos da minha sobrancelha arrepiou, meu amor acordou não acreditei.
-Diego meu amor.-me levei até ele e lhe dei um selinho
-Minha Roberta.- quando ele disse isso rolou uma lagrima em minha face ele tentou enchugar com seu polegar amis sua mão estava com sono e outro aparelho lá.
-meu amor tenho um notiçia para lhe dá, mais acho que aqui não é lugar nem hora para lhe dizer
vou esperar você se recuperar.
-não roberta me conte está me deixando aflito.
-------------nesse momento o médico entra na sala--------------------------
-Senhor Diego trago boas novas.
-iiiiiiiiiii......, estou ficando confuso uma me deixa aflito com uma noticia e o outro diz que tem boas novas não sei o que quero escutar primeiro.
-Mais Deigo o que a Roberta tem para lhe dizer isso você só poderá saber depois.
-Então diga doutor até eu estou curiosa ?-disse roberta anciosa
-É que você vai ter alta hoje.-diego e roberta logo levantou um sorriso.
-mais vamos fazer logo uns exames em você e fechar o seu pontuario ok?
-Otimo doutor vamos para os exames?
-Mais que apressado.-disse doutor rindo.

O Dia estava passando e diego fez exames. deu tudo normal o medico receitou algumns remedios, eles sairam do hospital entraram no carro o silêncio  tomou conta do local então diego quebrou o silêncio.
-Roberta me diga o que você queria falar comigo ?
-Amor vamos resolver isso quando chegar em casa você vai com seu proprios olhos.
-ok.-disse diego meio que não entendendo nada.
Oque roberta quer com diego......

CONTINUAAA.....

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

AVISO

Gente a menina que escreve a web abandonou então ela só mandou até o 57 para mim.
então vou fazer uma enquete respondam como comentario.

VCS QUEREM QUE EU CONTINUE A WEB DA MINHA IMAGINAÇÃO OU PARA DE POSTAR E CONTINUE HOT LOVE LUAR .
OPÇÕES:
1-CONTINUA A WEB COM SUA IMAGINAÇÃO .
2-PARA E CONTINUA A HOT LOVE LUAR 

ESPERAREI AS RESPOSTA ATÉ ESSE FIM DE SEMANA PARA CONTINUAR NA SEGUNDA OU PARAR .

DIAS PARA VOTAR :7 DIAS(SEGUNDA,TERÇA,QUARTA,QUINTA,SEXTA,SABADO E DOMINGO).

SÓ ACEITAREI OS VOTOS(COMENTARIOS) LÁ NOS COMENTARIOS DESSE POST E AS LETRAS EM MAIUSCULO .

BJOS AMO VCS!

[WEB] Armadilhas do Destino - Parte 57

POV –Roberta
 
Eu decidi acreditar naquela mulher, até porque eu não tinha outra opção e a vida dele estava em jogo... Ela tinha junto dela umas ervas, não sei, mas eu tinha que acreditar. 
- Pronto, isso é o mais parecido com um médico que você vai ter, não reclame. 
- Eu não estava reclamando.
- Eu sei, e tô estranhando... você o ama... vejo na forma como olha pra ele. Oque aconteceu aqui?
Ela perguntou me encarando nos olhos, eu decidi contar tudo. Ela simplesmente ouviu e ficou quieta durante algum tempo depois, com uma expressão indecifrável.

- Sabe, ele ama muito você também.... esteve falando com o meu irmão, aquele velho maldito, ele que disse a esse homem como chegar aqui... 
Eu acenei com a cabeça, mas não parava de olhar pro Diego, esperando que ele acordasse logo. Involuntariamente, nossas lembranças, boas e ruins, vieram a minha mente. Eu sentia lágrimas escorrendo pelo meu rosto, e escutava a voz daquela mulher ao longe, torcendo pra que ele acordasse logo..
 Eu estava pensando em todas as vezes que agente se beijou, em cada toque dele, em como era com senti-lo perto de mim, nossa primeira vez... 
- Com frio? – ele perguntou docemente, me abraçando. Eu estava sem salto, descalça, e por isso, ele estava mais alto que eu.
- Um pouco. – respondi o fitando. Ele me agarrou inesperadamente, me jogando na areia, então deu um risada gostosa no meu ouvido que me arrepiou até a alma.

Uma lágrima de pensar que eu nunca mais o sentiria perto de mim, nunca mais o teria comigo.
- Alô? Olha, eu só tenho um minuto, o Binho acabou de pegar no sono.
- Tá tudo bem, meu amor? – perguntei preocupado.
- Bom, é por isso que eu te liguei...
- Oque foi? Me diz, Roberta! – oque estava acontecendo? Eu já estava começando a me preocupar.
- Diego, eu acho que tô grávida.

E eu fiz tanta besteira com ele... 
[í]” Roberta, oque eu sinto por você não vai passar. Porque tá assim? Não acredita em mim?”
- Eu preciso tanto de você, por favor não me deixa.....- eu disse abraçando ele, me aninhando no seu corpo, fiquei alguns minutos chorando sentindo o coração dele. De repente, eu senti a mão dele na minha cintura, nem consegui acreditar.
- Eu nunca te deixaria.... - respondeu ele com a voz fraca. Senti meu coração disparar.

[WEB] Armadilhas do Destino - Parte 56

POV-ROBERTA

Eu senti o sangue quente do Binho escorrendo no meu corpo, eu não sabia o porque, mas tive um forte desejo de vomitar, não era relacionado a ele.... Sai correndo pra ver como o Diego estava, ele tinha caído depois que atirou no Binho, sentia como se tivesse sido eu, ver ele daquele jeito e só de pensar que podia estar... não, não vou pensar nisso.
- Diego, acorda.... fala comigo, por favor.... – eu pedi suplicante, eu não podia viver sem ele. 
- Acorda, meu amor... por favor.. – eu estava chorando, senti um aperto terrível no coração ao colocar a mão no pulso dele, mas graças a Deus, ele estava com vida.... mas eu precisava sair dali, precisava ajudá-lo.... Mas estava tudo escuro, e eu realmente não sabia pra onde ir. 
Eu tentei puxar o Diego, mas ele era muito pesado, não conseguia tirar ele dali e eu ficava a cada minuto mais desesperada, porque se fosse tarde demais, seria tudo culpa minha.... 
Eu não sei oque faria, mas eu ficaria com ele, é. Olhei pra todo o lado, tinha uma cachoeira lá fora; eu conseguia ouvir a água caindo, e vários zumbidos de animais, é claro... 
- MOÇO, MOÇO, VOCÊ TA AI? QUER AJUDA ? – escutei um grito simplesmente histérico, me apavorei. Logo depois, uma senhora entrou dentro da cabana, me olhou de cima a baixo e disse com uma voz alterada: 
- Você matou ele? MATOU OS DOIS? OQUE VOCÊ É? A ENCARNAÇÃO ... DELA? – ele perguntou, tentando não olhar nos meus olhos. 
- NÃO... DE QUE AJUDA VOCÊ TAVA FALANDO? EU PRECISO DE AJUDA, O DIEGO NÃO TÁ BEM, ACHO QUE É PICADA DE COBRA... – eu gritei. Que droga, será que ela não podia ver oque estava acontecendo? 
Ela me olhou atônita, como se procurasse alguma coisa de errado comigo, eu devia estar com um pouco de sangue por causa do Binho, mas mesmo assim aquilo tava demorando demais, e o coração do Diego cada vez mais fraco, eu podia sentir dentro de mim....

[WEB] Armadilhas do Destino - Parte 55

- Oque você tá fazendo aqui? Ninguém passa por aqui a meses, e o último idiota que tentou acabou “desaparecido” .... mas eu sei que ele esta morto. – ele me olhou de um jeito sinistro.
- Eu tô procurando uma cabana que dizem que fica por aqui.... – eu disse com firmeza, embora um pouco inseguro sobre se deveria ou não confiar naquele senhor.
- A minha é a única.... a não, tem uma que é depois de uma cachoeira... Mas você não vai querer ir até lá.
- Ah, eu vou. Com certeza eu vou.
- Não seja idiota. Se tem amor a vida não vá.... você irá conhecer o por quê deste lugar ter má fama. - ele deu um sorriso banguela. 
- Eu vou. Me diz pra que lado é só isso.
- Hm, corajoso. – ele me fitou profundamente – tem mulher na parada, né? 
- A mulher da minha vida.
- São umas desgraçadas, todas elas. Se eu fosse você não perderia meu tempo, mas se esta tão desiludido da vida assim, é pra lá – ele apontou na direção mais escura. – andando a uns 15 metros encontrará uma cachoeira, depois um casebre, eu acho.... nunca mais o visitei. Eu nem vou dizer até mais, porque sei que você não vai voltar, enfim... a vida é sua.
- Obrigado, mas mesmo que eu não volte não interessa, há coisas mais importantes do que a minha vida em jogo. – agradeci e segui naquela direção, tinha um cheio bem silvestre, vários mosquitos, pensei ter ouvido o sibilo de uma cobra mais de 2 vezes. Sapos, rãs, parasitas, e outras coisas mais ... selvagens. Eu estava andando com as mãos na frente, era muito escuro, impossível saber aonde eu estava, as árvores cobriam tudo, quando finalmente ouvi uma cachoeira; graças a Deus, aquele velho não estava mentindo, por que se não eu nem ao menos saberia como voltar. 
Eu fui correndo pra cabana, tinha uma iluminação fraca, eu corria tão depressa que nem percebi uma coral que estava ali, a maldita me picou. Senti meu sangue molhar minha pele, e a cobra saiu rastejando, acho que pisei em cima dela.... Puta que pariu que dor desgraçada, eu não conseguia nem andar. Tomara que não tenha veneno, por favor que não tenha veneno, por favor que não tenha.... eu não parava de dizer em pensamento quando escutei a voz dela, a voz pela qual eu daria a minha vida. E estava ali pra isso.
- BINHO, PÁRA! NÃO ENCOSTA EM MIM!
- VOCÊ GOSTA, NÉ SUA SAFADA? E TA GRITANDO PORQUE? TA FORTINHA, É? VEM CÁ, QUE EU TE DOU OUTRO BOA NOTIE CINDERELLA, QUANTOS FOREM PRECISO PRA VOCÊ CALAR ESSA BOCA. JÁ MANDEI VOCÊ SÓ USAR ESSA COISA LINDA PRA ME CHUPAR.... – ele gritou de um jeito enlouquecido. Eu senti uma raiva descomunal, foda-se tudo, se é pra morrer, o Binho morre junto! Eu entrei praticamente me rastejando, mas consegui reunir força pra abrir a porta, talvez com uma força desnecessária, porque ela caiu no chão. Quero mais é que se foda mesmo. 
- LARGA.... ELA.... SEU FILHO DA PUTA... - eu disse com raiva, me atirando pra cima dele, ele me deu um murro na barriga, eu tentava socar com força cada parte do corpo daquele desgraçado, mas sentia minhas forças se esvaindo cada vez mais. A Roberta gritava meu nome, muito emocionada..
- Diego... – ele disse com um gemido fraquinho e olhou pra um lado de um jeito desesperado, eu senti o Binho me dando um chute muito forte na barriga e ao mesmo tempo, a picada de cobra fazendo efeito, acho... Tinha um revólver... eu dei uma virada pra lá e o murro do Binho atingiu o chão, ele estava descontrolado, se jogou em cima da Roberta.
- AGORA VOCÊ VAI VER OQUE EU E ELA ESTÁVAMOS FAZENDO ANTES DE VOCÊ CHEGAR! – ele disse e abriu as pernas da MINHA Roberta com violência, enfiando 3 dedos, ouvir ela gritar pra mim, perdi os últimos controles que me restavam. Peguei a arma e atirei, torcendo pra não errar o alvo, depois apaguei. A última coisa que eu ouvi foram gritos, e a última coisa que vi, sangue no lençol.

[WEB] Armadilhas do Destino - Parte 54

- Infelizmente sim, e é pra lá que estou indo. Sério que tem uma cabana lá?
- Nunca ouvi falar, cara. Mas é melhor você ir logo, essas bichas ficam sempre tentando parar o trânsito.... – eu ri, ummomento tenso daquele, deveria estar pensando na Roberta, mas eu provavelmente demoraria 5 horas pra chegar a esse ponto da cidade, sem o meu carro.
- Sabe aonde tem gasolina? O carro ta sem combustível.... – eu não conseguia parar de pensar na Roberta.... será que ela estaria bem? Ou eu vou chegar tarde demais? :/
- Tem, mas você vai ter que andar uns 2km, nem irá adiantar muito.... você vai estar quase lá.
- Cara, EU PRECISO MESMO, URGENTE, CHEGAR LÁ LOGO! SERÁ QUE NÃO PODE ME EMPRESTAR ESSA SUA MOTO ? EU TE DOU MEU CARRO! – eu gritei, desesperado.
- Mas.... o carro esta somente sem gasolina... - ele me lançou um olhar astuto – Não esta?
- Claro que esta. Mas eu não tenho tempo pra botar gasolina, preciso ir pra aquele maldita floresta agora!
- Tá, ok..... vou ficar com teu carro, se passar por aqui, agente desfaz a troca, entendido? 
- Ta tá..- falei impaciente, pegando a moto dele e acelerando no
 máximo, quase cai da moto, mas eu tinha muito equilíbrio.
{...}
Eu tinha impressão de que tava correndo a umas 4 horas, puta que pariu... essa droga não anda mais rápido?! Tava tudo escuro, ouvi um gincho de dor e depois um grito humano. Será que .... ? Parei no meio daquela estrada. Tinha um alce morto, o corpo sem cabeça, e sangue fresco no chão..... eu não queria olhar pra aquilo, mas não tinha ninguém a vista, ninguém pra quem perguntar e eu não vou mentir, aquela floresta estava me dando arrepios. 
- Ouviu alguma coisa, Tom? – perguntou uma que vinha de dentro de uma floresta. Porra, não é pos-sí-vel morar ali, e porque alguém iria querer?
- Oque você tá fazendo aqui? Ninguém passa por aqui a meses, e o último idiota que tentou acabou “desaparecido” .... mas eu sei que ele esta morto. – ele me olhou de um jeito sinistro.
- Eu tô procurando uma cabana que dizem que fica por aqui.... – eu disse com firmeza, embora um pouco inseguro sobre se deveria ou não confiar naquele senhor.
- A minha é a única.... a não, tem uma que é depois de uma cachoeira... Mas você não vai querer ir até lá.
- Ah, eu vou. Com certeza eu vou.
- Não seja idiota. Se tem amor a vida não vá.... você irá conhecer o por quê deste lugar ter má fama. - ele deu um sorriso banguela. 
- Eu vou. Me diz pra que lado é só isso.
- Hm, corajoso. – ele me fitou profundamente – tem mulher na parada, né? 
- A mulher da minha vida.
- São umas desgraçadas, todas elas. Se eu fosse você não perderia meu tempo, mas se esta tão desiludido da vida assim, é pra lá – ele apontou na direção mais escura. – andando a uns 15 metros encontrará uma cachoeira, depois um casebre, eu acho.... nunca mais o visitei. Eu nem vou dizer até mais, porque sei que você não vai voltar, enfim... a vida é sua.
- Obrigado, mas mesmo que eu não volte não interessa, há coisas mais importantes do que a minha vida em jogo. – agradeci e segui naquela direção, tinha um cheio bem silvestre, vários mosquitos, pensei ter ouvido o sibilo de uma cobra mais de 2 vezes. Sapos, rãs, parasitas, e outras coisas mais ... selvagens. Eu estava andando com as mãos na frente, era muito escuro, impossível saber aonde eu estava, as árvores cobriam tudo, quando finalmente ouvi uma cachoeira; graças a Deus, aquele velho não estava mentindo, por que se não eu nem ao menos saberia como voltar.

[WEB] Armadilhas do Destino - Parte 53

Eu estava numa rua sem saída, eu precisava da Roberta. Eu só achava o celular dela, mas nada do meu. Senti o celular dela tocar, mas não era ela, droga... era só uma mensagem que dizia: 
“ Eae parceiro, a cabana serviu? Tua mulher ta curtindo? 
Lembra que você é meu cliente preferencial, mas é só por 1 mês caso não queira comprar... 
Vou te dar meu endereço, é bem perto da casa que vocês estão, só 1 quarteirão depois daquela floresta.” 

Oque?! Peraí, esse não é o celular da Roberta, é o celular do Binho! Ele a sequestrou.... desgraçado, vai se arrepender de ter nascido, isso vai. Eu liguei o carro pronto pra seguir aquele endereço quando vi o Rodrigo, (tínhamos conversado), chegando.... ah não, oque essa criança quer agora? ¬¬ Tô com pressa.
- Peraí, aonde você tá indo? Sabe aonde minha mãe está? Eu vou com você!
- Não, é perigoso. Você fica ai.
- Ai aonde? Sozinho no quarto, lá? Eu tenho medo..... – ele disse com cara de choro. Confesso que fiquei com pena, o garoto só tinha 4 anos.
- Mas volto logo com a sua mãe, pega meu celular, sabe fazer ligação? – ele confirmou com a cabeça - Ta ok, vai pra suíte, assiste tv, não sei, mas jajá eu volto. Vai lá, garoto. 
Ele ficou me olhando como se decidisse se iria ou não confiar em mim, por fim me deu as costas e saiu andando. Dei marcha ré no carro, e lá estava ele na janela. Puta que pariu ¬¬
- Trás a minha mãe logo. O meu pai pode machucar ela, ele já fez isso antes.... – ele disse com sinceridade. Ele tinha os olhos da Roberta.... sai com o carro a toda velocidade a procura daquele endereço, ficava quase que em outro país. Estava noite, eu tinha passado por uns 3 casebres já, cheios de prostituas e caminhoneiros drogados..... Até que a gasolina acabou, e tinha uns 4 motoboys vindo de encontro ao meu carro. Fu-deu.
Estava noite, eu tinha passado por uns 3 casebres já, cheios de prostituas e caminhoneiros drogados..... Até que a gasolina acabou, e tinha uns 4 motoboys vindo de encontro ao meu carro. Fu-deu. Um deles tinha um bafo horrível de whisky, bateu na janela do meu carro, eu pensei em não abrir, mas eu não tinha tempo, além de eu estar sem gasolina, eu precisava muito saber pra que lado era Kinghs, eu só sabia que era uma floresta meio devastada, nada mais, e talvez se eu desse meu carro eles me dessem essa informação. Espero que sim, eu já estou desesperado atrás da minha Roberta.
- Ae, perdeu playboy, perdeu.... - e então, eu abri a janela, do nada uns dois magricelos apareceram e começaram a cantar em um tom muito desafinado.
- ” Eu não nasci gay, a culpa é do meu pai, que contratou um tal de Wilson....” – karalho! Morri e fui pro inferno, a bicha começou a rebolar na frente do meu carro, fechei a janela de vez e sai pelo outro lado. Olhei com uma cara cética pra um motoqueiro com uma roupa de couro, por um momento achei que ele fosse dar em cima de mim, mas ele só disse:
- Cara, tá entrando em um lugar muito louco. 
- Eu percebi.
- Então porque esta aqui? Deu sorte de não ter ido para mais a leste, lá tem uma floresta realmente sinistra.... - opa, floresta?! – sim, sim, mortes.... lendas que dizem que um demônio ronda o lugar, dizem que é tudo lenda, mas toda semana, toda a vez que algum jovem ou alguém que seja idiota o suficiente pra ir pra lá, não volta mais. E o corpo fica jogado na pista, uns sem uma gota de sangue, outros rasgados ao meio..... parecem de borracha.
- Tá legal, é a floresta Kinghs? – perguntei já rezando pra não ser.
- Essa mesmo. Conhece?

[WEB] Armadilhas do Destino - Parte 52

POV –Diego
 
Acordei em um local escuro, com a sensação que eu tinha tido um pesadelo, e uma dor de cabeça do caralho. Putz, que sensação horrível. Mas não podia ter sido real, podia? 
- Cadê a minha mãe? Oque você fez com ela? – perguntou aquele menino, chorando.... Não, não pode ter sido verdade, simplesmente não pode. 
- Oque?! A Roberta não tá aqui? MAS AONDE ELA FOI? – eu berrei. Que droga, será que ninguém era capaz de me responder com coerência? Comecei a procurar ela pelo quarto, mas a única coisa que achei foi aquele maldito celular... argh! 
 

POV –Roberta
 
Eu acordei estourando de dor de cabeça, não conseguia nem abrir os olhos direito, mas sentia frio, passei a mão no meu corpo, eu estava nua... mas eu não me lembrava de .... NÃO ACREDITO! QUE SENSAÇÃO DE D-JAVÚ DO INFERNO! 
- Acordou, amor? Que delícia a noite de ontem, né? – ele falou se sentando na cama e me abraçando. Eu tentei gritar, mas eu me sentia realmente MUITO fraca.
- Oque você fez comigo? – eu quase não conseguia falar. 
- Não interessa oque eu fiz, só que eu fiz por amor. 
- Você é doente.... – ele pegou meu rosto nas mãos; eu jurava que ele ia me bater, mas ele só fez carinho, oque me arrepiou até a alma, eu sentia um frio anormal. 
- Vamos ver se você vai achar isso amanhã.... – ele deu um sorriso de lado, estremeci.
- E o Rodrigo? Cadê meu filho? – perguntei com esforço, eu já estava começando a achar que estava sonhando.... 
- Você não vai mais precisar dele. Não vai nunca mais precisar de nada além de mim.

[WEB] Armadilhas do Destino - Parte 51

POV –Diego
 
- SEU MALDITO, FILHO DA PUTA! NUNCA MAIS ENCOSTE NA MINHA ROBERTA! – eu berrei a plenos pulmões, eu tinha prendido ele em uma chave-de-braço , ele tentava sair, mas não conseguia. – VOCÊ VAI APRENDER QUE A ROBERTA NÃO TE QUER E NÃO PRECISA DE VOCÊ, AGORA ELA TEM A MIM E NÓS VAMOS FICAR JUNTOS. – olhei distraidamente para o lado onde ela estava, toda bagunçada, com lágrimas nos olhos, mas sorriu com o que eu disse. Eu não pude deixar de retribuir. Erro meu, o desgraçado do Binho aproveitou essa hora pra me dar um murro no olho e um chute no meu estômago. Eu fiquei sem ar. Não conseguia respirar, sentia meus olhos lacrimejarem e meu pulmão como se fosse estourar. Eu tentei abrir os olhos, mas no segundo seguinte não sentira mais nada, só uma grande e vasta escuridão.

POV –Roberta
 

O Diego tinha caído do chão e não parecia respirar.... OMG, SERÁ QUE ELE.... NÃO, NÃO PODE SER, EU JURO QUE EU MORRO SE ISSO..... 
- ARRRRRRGH! ME SOLTA SEU DESGRAÇADO! OQUE VOCÊ FEZ COM ELE? ME DIIIZ! OQUE VOCÊ... – eu tentava berrar, mas o Binho colocou a mão na minha boca, ele parecia fraco, com a cara manchada de sangue, porém, mais decidido que nunca e aquilo me dava medo.
-Agora escuta aqui, agente vai sair desse hotel e fugir. Não é uma linda história de amor? – ele disse de um jeito maníaco. Ele era doente, tentei gritar e me soltar, mas quanto mais eu me debatia, parecia que ele ficava mais forte..... 
- Mas pra você não atrapalhar meus planos.... que tal um suquinho de uva, hm, minha pequena? – eu não precisava de mais nada pra entrar em pânico, aliás, mas do que eu já estava é meio difícil, o Diego ainda não tinha nem ao menos se mexido, eu sentia uma dor imensa no coração. 
- É só beber. – ele abriu minha boca, eu tentei gritar, mas engasguei com o suco. Depois, era só escuridão.

[WEB] Armadilhas do Destino - Parte 50

POV –Roberta
 
- Binho para, paaaaara, me larga! – eu comecei a gritar, mas duvidava que alguém fosse ouvir, os quartos lá eram “a prova de som”.
- Me solta!
- Não.... você vai saber que é minha, e o quanto eu desejo você..... querendo ou não. – ele pegou minha mão sem nenhuma delicadeza e aperto junto ao pau dele, que já estava ereto. Eu tentei não pensar naquilo, mas tava cada vez mais difícil. Ele começou a tirar minha roupa, de um jeito lento, eu já não conseguia mais gritar, totalmente sem esperança de alguém aparecer, mas pela primeira vez na vida admitiria que precisava de ajuda e me alegraria muito o Diego comigo.
- ME SOLTA, EU NÃO QUERO VOCÊ....! – eu gritei. Ele deu um tapa forte na minha cara, eu coloquei a mão lá, estava ardendo. – FILHO DA PUTA!
- CALA A BOCA, VADIA! – ele começou a morder meus seios, com força, e penetrou três dedos dentro de mim sem nenhum aviso e de uma maneira bruta, eu gritei de dor. Bati a mão em alguma coisa dura, mas antes que eu pudesse ver oque era, ele me virou de costas na cama.
- Eu tava doido pra te comer assim, até com saudade.... – ele mordeu a minha orelha, e prensou o corpo contra o meu, me deixando totalmente imóvel. Escutei uma voz conhecida ali perto, chamava o meu nome. Era o meu Diego.
- DIEEEEEEEEEEEEGO?! SOCORRO!!!!!!!!!! – eu gritei com toda força que consegui.
- CALADA! JÁ TE MANDEI CALAR A BOCA, PORRA! VOCÊ É SURDA? – o Binho berrou no meu ouvido. E rasgou minha calcinha num puxão. Eu sai correndo dali, aproveitando que ele tinha me largado pra ver pra quem eu estava gritando. Mas ele não estava lá. Dei um chute com toda força no pau do Binho, ele gritou no chão.
- Foda-se. – minha face ainda ardia com o tapa que ele tinha me dado. Quando eu olhei pro lado, percebi uma luz que vinha do meu celular, era de lá a voz do Diego.



 POV –Diego
 
Eu estava desesperado, quando meu celular tocou e eu ouvi a voz dela...Não pensei duas vezes: desci as escadas correndo pra ir pro quarto onde ela estava, achei uma sorte a porta estar destrancada, mas não tive a mesma alegria quando cheguei no que deveria ser o quarto deles, eu não sabia oque fazer, gritava e batia na porta desesperado. Até que um menininho que devia ser o filho deles ¬ , apareceu e me entregou uma chave, parecia meio agoniado. Eu nem parei pra perguntei e logo abri a porta.
- Menino, vai pra lá, vai pro seu quarto, vai! – eu estava desesperado pra ver a Roberta, mas ele era só uma criança e não merecia ver o estrago que eu faria no.... pai dele. Ele me obedeceu; não tem nada da Roberta esse menino, e isso me ajudou muito aquela hora.
- SOLTA ELA! – eu bati a porta e voei em cima daquele otário, filho da puta, ele estava tentando estuprar a MINHA Roberta? Morreu.
- QUEM VAI ME IMPEDIR? UM IMBECIL NANICO COMO VOCÊ? – ele falou a jogando num canto da cama, aquilo me deixou roxo de raiva.
- SEU FILHO DA ´PUTA COVARDE! TA FUDIDO, ARROMBADO. - eu berrei e dei um chute no estômago dele, ele revidou me dando um soco na boca, eu sentia um gosto de sangue horrível quando revidei; mas eu acertei em cheio o nariz dele, quebrou.
- AAAAAAAAA DIEGO, PARA COM ISSO! BINHO, DEIXA ELE EM PAAAAAAAZ! SOCORRO! – eu ouvia os gritos dela; mas muito ao longe, naquela hora eu só estava concentrado em bater o máximo que eu pudesse naquele filho da puta que ousou mexer com a minha mulher.

[WEB] Armadilhas do Destino - Parte 49

Os caminhos se separam.
 
POV -Roberta
 
Cheguei em casa, confesso que estava com medo da reação do Binho e temia que ele fizesse alguma besteira com o meu filho, nossa, eu nem sei de onde eu arrumei coragem pra tanto.... É, na verdade eu sei sim. Foi ele.... sempre foi ele.
- Binho, eu quero o divórcio. E dessa vez não é como nas outras, eu voltei com o Diego, e agente se ama. E mesmo que você não assine essa porcaria de papel, eu ainda vou amá-lo e não vai fazer diferença nenhuma, porque eu vou ficar com ele. Eu e o meu filho estamos saindo de casa, agora. Então, se quiser facilitar e assinar. – eu joguei o papel do divórcio pra ele, com a minha assinatura e uma caneta. Ele me olhava chocado.

 POV –Roberta
 
- Ok, agora parou a palhaçada. Sei que você deve ta com sono, né? – ele foi se aproximando de mim, segurou meu rosto. – Vai dormir, princesa. E pare de falar em coisas que você nem mesmo entende, ok ?
Eu tirei as mãos dele do meu rosto e o olhei com ódio. Eu sentia tanto...nojo. Esse cara não tem amor próprio.... ou não tem amor pelos outros. É, acho que compro a segunda opção.
- Binho, eu falei sério. Me larga.
- Não. E não tem a mínima graça. Você sabe oque vai acontecer se você entrar nessa, né? Eu vou acabar com ele antes que você possa dizer:” Eu estava brincando... “ Sabe que eu não brinco, não sabe, Roberta?
Ele disse muito suavemente, acariciando meu rosto. Por alguma razão, eu fiquei estática, eu não conseguia nem respirar direito. Ele foi fazendo carinho no meu rosto e me levando pra trás, eu nem sabia como eu estava me mexendo, mas tinha alguma coisa nele que me impedia de reagir. Desde daquele tempo de escola....
- Não. Para, me larga. Eu não quero nada com você. – eu disse tentando me desvencilhar. Ele me apertou mais junto a ele, e começou a me machucar enquanto me deitava na cama. Eu estava com um frio de medo na barriga.
- E quem disse que precisa? Você só precisa saber que é minha e que nada vai mudar isso. Tava pensando oque, que ia chegar aqui, me trocar por aquele imbecil, eu ia te deixar ir e chorar minhas mágoas em um canto? Se enganou, baby....
Ele disse isso suavemente, mas de uma forma ameaçadora, eu congelei. Ele começou a acariciar minhas pernas, e me beijou.